Veja fotos exclusivas de Sophie Charlotte no set da supersérie ‘Os dias eram assim’


Em 21 de junho de 1970, o Brasil enfrentava a Itália na final da Copa do Mundo, no Estádio Azteca, na Cidade do México. A partida acabou em 4 a 1, dando a vitória à seleção brasileira. No Rio de Janeiro, um grande grupo de pessoas se reúne em um bar para comemorar o título. A alegria não dura muito e a festa acaba com um corre-corre generalizado depois que a polícia invade o local com truculência, algo bem comum na época, atrás de jovens que estivessem lutando contra o regime militar. A violência ganha as ruas com cassetetes, cavalos, baionetas.

Essas são as primeiras imagens de “Os dias eram assim”, nova série da TV Globo, que estreia no dia 17 de abril e conta uma história de amor que começa nos anos 1970 e se desenrola até os 80. O casal de protagonistas é vivido por Sophie Charlotte e Renato Góes. Nos dois dias em que foram rodadas, essas cenas foram assistidas ao vivo por alguém que testemunhou — e registrou — a luta e o medo reais, há quase 50 anos.

Responsável por algumas das imagens mais marcantes feitas durante o período da ditadura militar no Brasil, o fotógrafo Evandro Teixeira foi convidado pela produção para registrar as gravações, que aconteceram em Santa Teresa e no Rio Comprido, e reviver pelo menos um pouco do clima pesado e sombrio que conheceu tão bem, nos chamados anos de chumbo.

— Fiquei impressionado com o realismo do set. Tudo igual: os carros, as roupas... — conta o fotógrafo. — Claro que me fez lembrar de 1968, das pancadarias que a gente viu pelas ruas do Rio de Janeiro, das manifestações, da polícia montada em cavalos descendo a porrada nos estudantes.


São de Evandro fotos emblemáticas de 1968, feitas na passeata dos cem mil e na missa de sétimo dia do estudante Edson Luís, que dividem espaço nesta reportagem com as imagens feitas agora por ele, no set de “Os dias eram assim”. A foto que registra a queda de um estudante perseguido por policiais na Cinelândia; a que mostra os policiais em cavalos partindo para cima das pessoas na Candelária; ou ainda a que reúne uma multidão com a faixa “Abaixo a ditadura. Povo no poder” ganharam o mundo.
Evandro Teixeira costuma dizer que sua arma contra a ditadura, na época, era a sua câmera:

— Você ia para a rua cobrir manifestações e não sabia se voltaria para contar as histórias. Em todo esse período a gente tinha muito medo. Eles tomavam o equipamento, quebravam, atiravam, matavam. Era baioneta de verdade, arma de verdade. Não era bala de borracha.

Antes de pisar no set, ele foi alertado pelo diretor de fotografia, Walter Carvalho, que também dirige a série e é um amigo de longa data, que estivesse preparado para se emocionar:

— E eu fiquei realmente emocionado, pois não esperava me deparar com algo tão realista e que me trouxesse tantas recordações.

O encontro dos dois amigos foi um dos pontos altos da ida de Evandro às gravações de “Os dias eram assim”. Por coincidência, eles também se conheceram nos anos 
1970, na época fotografando futebol no Maracanã.
— O Brasil tem Villa-Lobos, Oscar Niemeyer, Darcy Ribeiro, Ariano Suassuna... São ícones, cânones do que significa a cultura brasileira, cada um na sua área. O Evandro é dessa estirpe, dessa tribo que vem para deixar um legado. Não se pode falar da imagem brasileira sem falar dele — afirma Carvalho.


Na análise do diretor, ele nunca conduz a imagem, é conduzido. E é exatamente isso que torna seu trabalho tão especial:

— Um bom exemplo é a foto do estudante caindo, ao ser perseguido pela polícia na Cinelândia. Um milionésimo de segundo antes ou depois, ele não teria nada. Foi a imagem que o conduziu.

Carvalho gosta de lembrar de um dia que, em Recife, a trabalho, encontrou uma reprodução dessa cena em uma grande coluna, embaixo de um viaduto, desenhada por um grafiteiro anônimo. Estava passando de carro e fez questão de parar para fotografar e enviar o registro ao amigo.

Walter Carvalho fez questão de levar sua câmera nos dias em que Evandro esteve nas gravações da série. Essa foi a maneira de lidar com os seus próprios sentimentos.

— Procurei não pensar muito ao vê-lo fotografando cenas parecidas com as que vivemos décadas atrás. Até para não chorar. Evandro estava ali, com sua câmera em punho e sua escadinha, que carrega para todos os cantos. Mesmo estando entre o real e o imaginário, sua postura diante do fato se mantinha a mesma — diz Carvalho.


O resultado das fotos feitas por Evandro no set de “Os dias eram assim" são, claro, impressionantes. Em uma delas, policiais agridem jovens na rua. Por alguns detalhes da imagem — uma garrafa de cerveja nas mãos de um rapaz, uma chuva de papéis picados —, percebe-se que o que era festa acabou se transformando em pancadaria. Em outra foto, policiais montados em cavalos e um carro em chamas dão o tom assustador à cena.

Não foi só o realismo de roupas, cenários e objetos que chamaram a atenção do fotógrafo. Ele também ficou impressionado com a desenvoltura da atriz Sophie Charlotte, que interpreta a protagonista Alice, uma fotógrafa.

— Acho que ela vai se sair muito bem com aquela Nikon S2, da época, que está usando. Analógica e de filme! — conta o fotógrafo.

Sophie teve aulas para aprender a fotografar e, também, a segurar a câmera como uma profissional:

— O universo da fotografia era um mistério pra mim. Entender a relação de diafragma, foco, enquadramento é o máximo.

Antes de começarem as gravações, o elenco teve encontros com Fernando Gabeira, Clarice Herzog, Nelson Motta, entre outros, que contaram um pouco do contexto histórico e da visão deles da época. Com Evandro Teixeira, agora, ela diz ter entendido a atitude destemida de de quem, mesmo nas condições mais adversas, vai atrás de uma boa foto.

Fonte: O GLOBO
Fotos: Evandro Teixeira

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Fã clube Sophie Charlotte © 2018 Proibido qualquer tipo de cópia: Todos direitos reservados